Quem sou eu

Minha foto
Bebedouro, São Paulo, Brazil
Geólogo e professor aposentado, trabalho este espaço como se participasse da confecção de um imenso tapete persa. Cada blogueiro e cada sitiante vai fazendo o seu pedaço. A minha parte vai contando de mim e de como vejo as coisas. Quando me afasto para ver em perspectiva, aprendo mais de mim, com todas as partes juntas. Cada detalhe é parte de um todo que se reconstitui e se metamorfoseia a cada momento do fazer. Ver, rever, refletir, fazer, pensar, mudar, fazer diferente... Não necessariamente melhor, mas diferente, para refazer e rever e refletir e... Ninguém sabe para onde isso leva, mas sei que não estou parado e que não tenho medo de colaborar com umas quadrículas na tecedura desse multifacetado tapete de incontáveis parceiros tapeceiros mundo afora.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Eben Alexander III: "Minha experiência em coma"
(18fev2013)


Ousei traduzir este artigo do Dr. Eben Alexander III, e peço aos leitores que relevem incorreções ao traduzir trechos eminentemente técnicos do texto. Aos interessados, o texto original pode ser acessado clicando-se aqui. O artigo foi publicado na revista da American Association of Neurological Surgeons (AANS). Entendo que seja relevante divulgar esse trabalho, que pode abrir novas e refrescantes discussões dentro das ciências em geral, ampliando horizontes e levantando barreiras que até então pareciam intransponíveis: o famoso limite temido pelos cientistas que parece encaminhar para a crença religiosa. Ademais, religiosos de variadas vertentes poderiam aliar-se aos verdadeiros buscadores do conhecimento sem fronteiras, encaminhando-nos a todos para uma reavaliação dos mistérios da vida. Boa leitura:

AANS NEUROSURGEON: FEATURES

Volume 21, número 2, 2012

Minha experiência em Coma

Por Eben Alexander III, MD, FACS

Há duas maneiras de ser enganado. Uma é acreditar que não é verdade, a outra é recusar-se a acreditar que é verdade. - Søren Kierkegaard (1813-1855)

Às 4:30 da manhã de 10 de novembro de 2008, de repente, fiquei muito doente com meningite bacteriana aguda. Dentro de quatro horas, eu estava em coma profundo; eu passei os sete dias seguintes em coma, em um ventilador. A meningite bacteriana com um declínio tão rápido da função neurológica conferia-me uma probabilidade de morte de 90 por cento, mesmo na época da minha primeira avaliação na emergência, mas as minhas perspectivas de sobrevivência rapidamente pioraram. Meus médicos no Hospital Geral de Lynchburg, na Virgínia, ficaram chocados ao descobrir que eu tinha adquirido meningite E. coli espontânea, que tem uma incidência anual de menos de uma em 10.000.000 (1). Eles foram ajudados por especialistas da Universidade da Virgínia, Duke, Hospital Geral de Massachusetts e além, em seus esforços para encontrar uma causa e forçar uma reviravolta no que a princípio parecia ser uma irreversível espiral da morte na medida em que eu não respondi a antibióticos triplos.

Meu histórico médico de viagem recente a Israel (como parte do meu trabalho de coordenação global de desenvolvimento da cirurgia de ultra-som focalizado) levantou grande preocupação entre os médicos. Por volta da época da minha visita, os médicos do The Tel Aviv Sourasky Medical Center haviam relatado o primeiro caso bem documentado do mundo de transferência espontânea de plasmídeo do gene do Klebsiella Pneumonia carbapenemase (KPC) de genes de um organismo gram-negativa fatal em um paciente previamente não infectado com E. coli intestinal  conferindo a este último total resistência a antibiótico. As implicações terríveis para uma pandemia desastrosa se como um E. coli escapasse do estrito isolamento de uma UTI hospitalar eram óbvias, e meus médicos consideraram que eu posso representar tal caso.

Meus exames neurológicos foram consistentes com danos corticais difusos mais disfunção motora ocular. Minhas varreduras CT revelaram o envolvimento neocortical global e, no terceiro dia, a proteína de meu líquido cefalorraquidiano (CSF) era 1.340 mg/dl, a contaegm das células brancas do sangue do meu CSF era de 4300 por mm3, e meu nível de glicose no CSF foi para 1 mg/dl . Eu estava muito doente, com chances decrescentes de sobrevivência e virtualmente nenhuma oportunidade para a recuperação. Meus médicos nunca encontraram uma razão para a minha misteriosa doença.

Felizmente, meus E. coli finalmente começaram a responder. No sétimo dia do meu coma, para surpresa de todos, abri os olhos e comecei a voltar. Fui rapidamente desentubados pelo intensivista chocado. Um dos muitos bons amigos de minha esposa que estava lá não poderia deixar de reparar como minha expressão mais parecia o espantado olhar de uma criança, e não o que seria de se esperar de um adulto voltando de um estado inconsciente.

Se alguém tivesse me perguntado antes do meu coma o quanto um paciente lembraria depois de meningite tão grave, eu teria respondido "nada" e pensando no fundo da minha mente que ninguém iria se recuperar de tal doença a ponto de discutir as suas memórias, de qualquer maneira. Então você pode imaginar a minha surpresa em lembrar uma odisséia elaborada e rica de dentro de coma que compreende mais de 20 mil palavras na hora que eu tinha escrito tudo durante as seis semanas após o meu regresso do hospital. Meu filho mais velho, Eben Alexandre IV, que estava se formando em neurociência na Universidade de Delaware, no momento, aconselhou-me a registrar tudo o que eu podia lembrar antes de eu ler alguma coisa sobre experiências de quase-morte (EQM), física ou cosmologia. Eu obedientemente o fiz, apesar de um desejo intenso de ler tudo que podia sobre esses assuntos, com base no caráter impressionante da minha experiência do coma.

Meu meningite tinha sido tão grave que minhas memórias originais de dentro do coma não incluíam lembranças de nenhum tipo da minha vida antes do coma, incluindo a língua e qualquer conhecimento dos seres humanos ou este universo. Essa intensidade de "terra arrasada" foi o cenário para uma profunda experiência espiritual que me levou além do espaço e tempo para o que parecia ser a origem de toda a existência. Eu estou escrevendo um livro detalhando aquela odisséia extraordinária, que deve ser publicado em fevereiro de 2013 pela Simon & Schuster. (Para obter atualizações, visite www.lifebeyonddeath.net.)

A maioria das EQMs são facilmente diferenciadas de sonhos e alucinações. Elas representam um fenômeno inteiramente diferente. Uma característica notável é a persistência das lembranças da EQM, em comparação com a maioria das lembranças e, certamente, com as de sonhos ou alucinações, que tendem a desaparecer com o tempo. EQMs tendem a mudar a vida das pessoas de maneiras importantes, e as memórias dessas experiências vivas persistem em detalhes por períodos prolongados (2).

Profundamente em coma com interrupção neocortical grave, rica experiência pode ocorrer e ser lembrada. A percepção consciente pode existir totalmente independente do cérebro. Na verdade, livre das limitações físicas do cérebro humano, a consciência é liberada para saberes muito maiores do que nós humanos podemos imaginar. Apenas uma pequena fração de tal consciência pode voltar em memórias acessíveis pelo ser humano que voltou para o reino físico - e apenas uma pequena fração daquilo pode ser transmitida de uma forma lingüística interpretável por outros seres humanos que não "estiveram lá".

Meu coma me ensinou muitas coisas. Em primeiro lugar, experiências de quase morte, e estados místicos de consciência relacionados, revelam verdades fundamentais sobre a natureza da existência. E o modelo materialista redutor (fisicalista), em que a ciência convencional se baseia, é fundamentalmente falho. Na sua essência, ele intencionalmente ignora o que eu acredito que seja o fundamento de toda a existência - a natureza da consciência.

Psicologia e psiquiatria no final do século 19 foram eficazes na consolidação de uma compreensão científica da natureza da consciência e até mesmo da possibilidade da sua independência do cérebro. O conhecimento humano, então, encontrou um cluster curiosamente emaranhado de conceitos - confirmação física da existência de átomos (via Movimento Browniano), a mecânica quântica ea relatividade geral (todos, claro, graças a Albert Einstein). A revolução científica ao longo do século seguinte foi sem precedentes na história humana, e, para muitos, estabeleceu de uma vez por todas qualquer discussão do universo material como a única base de realidade e existência.

Havia nuvens negras no horizonte, entretanto, junto com aqueles conceitos originais. O enigma da interpretação do que esses experimentos em mecânica quântica revelaram foi tão profundo que fez afastarem-se até mesmo os gostos de Albert Einstein, Niels Bohr e Erwin Schrödinger (os fundadores brilhantes do campo), absolutamente desconcertados. A partir de suas experiências pode-se inferir que a consciência tinha um papel definitivo na criação da realidade. E esses resultados experimentais só se tornaram mais bizarros nos últimos anos. [Veja-se o experimento "quantum eraser" realizado em 2000 (3)]. Acredito que o núcleo daquele mistério é que a consciência está profundamente enraizada em processos quânticos.

Mesmo os físicos e cientistas que proselitizam o modelo materialista foram forçados para a beira do precipício. Eles devem admitir agora saber um pouco acerca de quatro por cento do universo material que eles sabem que existe, mas devem confessar que estão totalmente "no escuro" sobre os outros 96 por cento. E aquilo nem mesmo começar a abordar o componente ainda maior que é a casa da "consciência" que eu acredito ser a base de tudo. Dada tal ignorância embaraçosa, é um pouco prematuro para físicos discutir uma "Teoria de Tudo" (TOE), por mais tentador que possa parecer em nosso mundo de "publicar ou perecer".

Que podemos conhecer coisas além do alcance dos canais "normais" é incontestável. Um excelente recurso para qualquer cientista que ainda procura a prova daquela realidade é a análise e estudo rigoroso de 800 páginas de todos os tipos de consciência ampliada, intitulado "Mente irredutível: Rumo a uma Psicologia para o Século 21" (4). Esta obra-prima da Divisão de Estudos de Percepção da Universidade de Virginia cataloga uma grande variedade de fenômenos empíricos que parecem difíceis ou impossíveis de acomodar dentro da maneira fisicalista padrão de olhar as coisas. Os fenômenos cobertos incluem, em particular, as EQMs que ocorridos em condições tais como anestesia geral profunda e parada cardíaca que - como o meu coma - deveriam evitar a ocorrência de qualquer experiência, muito menos os tipos de experiências profundas que frequentemente se verificam. Também digno de nota, o Instituto Americano de Física promoveu reuniões em 2006 e 2011 que abrangendo a ciência física de tais canais extraordinários de conhecimento (5, 6).

A comunidade neurocirúrgica está na posição ideal para reconhecer e recolher os relatórios cruciais de pacientes que sobrevivem a jornadas em coma profundo a partir de uma variedade de condições. Estes relatórios serão inestimáveis para uma maior compreensão da natureza da existência. Mas lembrem-se que os pacientes não costumam relatar essas experiências incomuns, a menos que especificamente perguntados sobre o que eles podem se lembrar. Então, perguntem a eles!


Eben Alexander III, MD, FACS, serviu no corpo docente da Harvard Medical School por quase 15 anos, alcançando o posto de professor associado em 1994. Ele ajudou a promover o desenvolvimento de radiocirurgia estereotáxica, imageamento intra-operatório MR e ressonância magnética em cirurgia guiada por ultra-som focalizado em neurocirurgia. Dr. Alexander atualmente atua com um grupo de neurocirurgia privado em Lynchburg, Virgínia, e viaja bastante, fazendo apresentações sobre revelações de sua experiência de coma que elucidam a natureza da consciência.

Referências
1. Clinical features and prognostic factors in adults with bacterial meningitis. van de Beek D, et al. in New Engl J Med. 2004 Oct 28; 351(18):1849-59.
2. Holden, Janice Miner, Bruce Greyson, and Debbie James. “The Handbook of Near-Death Experiences: Thirty Years of Investigation.” Edited by Janice Miner Holden, Bruce Greyson and Debbie James. Santa Barbara, CA: Praeger Publishers, 2009.
3. Kim, Yoon-Ho; R. Yu, S.P. Kulik, Y.H. Shih, and Marlan Scully. “A Delayed Choice Quantum Eraser.” Physical Review Letters 84: 1–5, 2000.
4. Kelly, Edward F., Emily Williams Kelly, Adam Crabtree, Alan Gauld, Michael Grosso, and Bruce Greyson. Irreducible Mind: Toward a Psychology for the 21st Century. Lanham, MD: Rowman & Littlefield, 2007.
5. “Frontiers of Time: Retrocausation — Experiment and Theory,” hosted by the American Institute of Physics, San Diego, California (USA), 20-22 June 2006. Proceedings Editor: Daniel P. Sheehan, University of San Diego. AIP Conference Proceedings, Volume 863.
6. “Quantum Retrocausation — Theory and Experiment,” hosted by the American Institute of Physics, San Diego, California (USA), 13-14 June 2011. Proceedings Editor: Daniel P. Sheehan, University of San Diego. ISBN: 978-0-7354-0981-1. AIP Conference Proceedings for 92nd Meeting of AAAS Pacific Division.

Tradução: Aquiles Lazzarotto

1 comentários:

Alfredo da Silva Vieira disse... [Responder comentário]

Li o livro, Uma prova do céu, e posso dizer que merece ser lido por todas as pessoas que já sabem que a vida continua após a morte do corpo físico. As pessoas que ainda não têm esse entendimento, também podem aproveitar da leitura como uma ajuda informativa, no sentido de suscitar interesse pelo assunto, que é inegavelmente fascinante.